ABIESV - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS PARA O VAREJO
Orientações de experts sobre Visual Merchandising

Orientações de experts sobre Visual Merchandising

17 maio 2019

Como o próximo Backstage do Varejo, dia 13 de junho, abordará o tema Visual Merchandising, a reportagem traz depoimentos, com orientações e dicas, de alguns dos maiores especialistas, nacionais e internacionais, sobre o assunto. Aproveite:

“O Visual Merchandising é uma forma de arte. É importante desenvolver a arte, mantendo a integridade do produto e da marca”.

Marjorie Lee, professora de VM do Lim Institute em Nova Iorque, formada pela Universidade do Texas e pelo FIT (Fashion Institute of Technology)

“A loja deve abrir novos mundos, novas vivências, transportar o cliente para lugares que nunca esteve antes, para aprender, brincar e se envolver. A loja é uma ferramenta de comunicação, o seu design tem que despertar as emoções e o desejo nos clientes.  O ideal é projetar experiência, encantar seus clientes, levando-os a uma viagem de sua marca”.

Eric Feigenbaum, conselheiro editorial e diretor da New York Magazine, diretor de Workshops da WindowsWear, e presidente da Associação de Visual Merchandisiers

“Nós queremos que o cliente entre na loja e veja nosso produto flutuando. O papel do marketing é trazer o cliente para a loja, já do Visual Merchandising é fazer o cliente entrar na loja e comprar. O VM é um trabalho muito técnico”.

Ariane Cristine Diniz, gerente geral de Visual Merchandising do Grupo Riachuelo

“Os varejistas têm que criar experiências de compra, com lojas envolventes. O caminho para o bolso do cliente passa pelo seu coração. O VM é um excelente instrumento, constrói o cenário para conectar o cliente com a marca, e é acessível a todo tamanho de varejista, do pequeno ao gigante. Hoje a loja física perdeu na transação, não é mais necessário ir à loja para comprar, mas ganhou na relação, no engajamento emocional. O VM não é um trabalho fácil, por isso damos orientações aos varejistas. Lembrando que, conforme pesquisas, a vitrine representa até 85% das vendas da loja e 50% das pessoas compram por impulso”.

Marcos Andrade, CEO da Expor Manequins e presidente da Abiesv

“Investir em VM mantém o cliente mais tempo na loja e gera mais vendas. O consumidor busca marcas que traduzam seu propósito. Cresce o investimento na criação de um espaço de varejo que agregue experiência, mix de produto, conveniência, e transmita a sensação de um lugar único. A forma de exposição de produtos tem como principal função valorizá-los. O VM tem que ser criativo, não tem a ver com grandes investimentos. Como primeiros passos o varejista deve conversar com um arquiteto de varejo ou um visual merchandising, que poderá desenvolver um plano estratégico de atualização da loja. Também pode observar o que o mercado tem oferecido como experiência, conversar com a gerência do shopping onde tem loja. Essas são algumas dicas para iniciar uma jornada de transformação, em busca de um projeto autêntico e sustentável para sua marca”.

Ana Costa, especialista em Neuromarketing e Evironmental Design, e diretora de Educação da Abiesv

“O Visual Merchandising é um vendedor silencioso, faz com que o produto seja visto pelo cliente de forma bem atrativa, ou seja, ajuda a fazer com que a venda aconteça. O VM é a junção de compras, marketing e a operação da loja e dá suporte para boas arquitetura, compra e exposição de produto”.

Sonia Paloschi, diretora do Grupo Purchase Marketing & Visual Merchandising e diretora do Departamento de VM da Abiesv

 “O Visual Merchandising é uma ferramenta estratégica para aumento da percepção de valor dos produtos e soluções no pdv. Por isso recomendamos que o varejista faça um diagnóstico do seu Modelo de Negócio, no intuito de mensurar o nível de integração entre as áreas de Marketing, Produto, Operações, Capital Humano e Ponto de Venda. A partir disso, viabilizar ações de reposicionamento estratégico de seu pdv, por meio de novos conceitos de Arquitetura, Visual Merchandising, Comunicação Visual e Design de Mobiliário. Estas disciplinas ajudam a tangibilizar a Loja 4.0 (Phygital – integração de loja física e digital) e cria cultura de consume, com grande incremento de vendas”

Julio Takano, CEO da Kawahara & Takano Retailing, especialista em projetos para varejo, fundador da Abiesv, da qual é ex-presidente e atual conselheiro

“Fazer Visual Merchandising para um grupo grande como a Marisa é um desafio. Estamos em um processo de transformação, criando um projeto que leva a Marisa para o ano e 2020, com mais experiência e uma melhor eficiência de compra. O objetivo é transformar a nossa loja, ainda mais, ao encontro de nosso público-alvo hoje, que são mulheres de 25 a 45 anos, da classe C. A loja ficará com muita interatividade, com o site dentro da loja e a loja dentro do site”.

Rogério Pacheco da Cunha Cruzatto, gerente de Visual Merchandising do Conceito & Store Design do Grupo de Lojas Marisa

Bakcstage do Varejo — O próximo sobre Visual Merchandising, em sua 30º edição, já tem confirmada palestra internacional de Jon Harari, CEO e cofundador do WindowsWear.com, maior banco de dados do mundo de visual merchandising e comunidade global de criadores de varejo, sedidado em Nova Iorque. Faça já sua inscrição pelos e-mails: comercial@abiesv.org.br ou secretaria@abiesv.org.br.