ABIESV - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS PARA O VAREJO
Especialista fala sobre os “espaços instagramáveis”

Especialista fala sobre os “espaços instagramáveis”

24 maio 2019

Os “espaços instagramáveis” são uma tendência internacional, que começam a ganhar força também no mercado brasileiro. Nele, lojas físicas criam cenários para serem promovidas no Instagram de seus visitantes. Diante do espaço decorado, os clientes são atraídos a compartilhar imagens em suas redes sociais. A preocupação está em cada detalhe da decoração, inclusive a iluminação.

Uma experiência fantástica é a da loja Charlote Tilbury, em Londres, que tem o ‘espelho mágico”. Com o uso da realidade aumentada, o espelho digitaliza a imagem do rosto do cliente, que pode se ver com vários dos looks da marca, para o dia ou a noite, sem precisar usar, fisicamente, nenhuma maquiagem. Mandar fotos para os amigos e pedir opiniões faz parte da brincadeira.

No Brasil, entre os exemplos, estão as Vitrines Instagramáveis do Natal, do ano passado, em São Paulo, da Marisa, na loja da Avenida Paulista, e da Cia. Hering, na loja do Morumbi Shopping (ambos projetos da Vimer, associada da Abiesv), que fizeram sucesso. Nas vitrines, os clientes puderam fazer suas fotos e foram convidados a postá-las com a hashtag das marcas. “Estes cenários instamagráveis podem ser institucionais, onde a marca é o foco, ou também espaços divulgando as datas do varejo, como natal, namorados e outras”, diz Sonia Paloschi, diretora do Grupo Purchase Marketing & Visual Merchandising e diretora do Departamento de VM da Abiesv.

Com os “Espaços Instagramáveis”, as marcas provocam mais interação dos clientes com os produtos. “Importante lembrar que esses espaços devem ser de acordo com o público-alvo, e se busca mostrar a sua tribo, onde está e o que está fazendo. Com certeza é uma ferramenta bem utilizada, umas com mais visibilidade, outras com menos, mas sempre em ambientes da moda, seja em uma grife, restaurante, magazine, criando cenários de forma a passar para quem estiver interagindo com o Instagram o poder da marca, produtos e serviços”, explica Sonia.

A especialista orienta que o ideal é que sejam espaços temporários, criando assim sempre o interesse, mesmo que o cliente seja assíduo. “Em feiras e eventos, estes cenários são criados para aquele momento e, com certeza, tem que ter boas ideias e se diferenciar dos demais, atraindo o maior número de pessoas”.

Segundo Sonia, os pequenos varejos não acreditam nesta ferramenta, acham que o espaço reservado poderá diminuir o número de peças a serem vendidas, mas, com certeza, mudarão de ideia com a evolução desta prática.

Foto: Lojas Marisa, Avenida Paulista